Interagencial Gênero, Raça e Etnia - Programa Envie esse conteúdo para o email de um amigo Exibe a versão de impressão da página Retorna para a página anterior

 

No cenário internacional, o Brasil é referência na institucionalização de organismos governamentais de políticas para as mulheres e igualdade racial. Os processos de consolidação da democracia e os avanços legislativos criam oportunidades para a materialização dos direitos humanos das mulheres.

Novos conceitos e modelos de gestão estão em processo de incorporação pela administração pública brasileira.  Confirmando essa tendência, o Plano Plurianual 2008-2011 pela primeira vez inseriu - entre seus dez objetivos estratégicos -, o fortalecimento da democracia com igualdade de gênero, raça e etnia e a cidadania com transparência, diálogo social e garantia dos direitos humanos.

Esse quadro institucional deriva fundamentalmente da ação política empreendida pelos movimentos sociais. Organizações feministas, de mulheres e de negras (os) mobilizaram amplos setores da sociedade contra o sexismo e o racismo e instaram a responsabilização do Estado. Dessa forma, foi configurada uma agenda progressista para a efetivação de direitos e canais de diálogo para a formulação de políticas públicas de gênero, raça e etnia.

Para fortalecer as conquistas institucionais e a participação social, o Sistema ONU (Organização das Nações Unidas) realiza, no Brasil, o Programa Interagencial de Promoção da Igualdade de Gênero, Raça e Etnia. Iniciativa pioneira no País com aporte do Fundo das Nações Unidas para o Alcance dos ODM (Objetivos de Desenvolvimento do Milênio), o Programa é resultado da cooperação internacional entre o Governo Espanhol e o Governo Brasileiro, por meio da SPM - Secretaria Especial de Políticas para as Mulheres e da SEPPIR- Secretaria Especial de Políticas de Promoção da Igualdade Racial.

Leia aqui o  folder de apresentação do Programa




  Sitio publicado em 06/06/2006